CAPTAR O QUE EXISTE ATRÁS DO QUE OS OLHOS VEEM

Quando é que a noção das horas se perde porque alguém as transforma em dias, semanas, meses, anos fixados na memória, nas memórias, na vida, de um homem que, no acto de fazer uma simples fotografia “nele coloca todos os livros que leu, os filmes que viu, as músicas que ouviu, as pessoas que ama?

O que acontece quando, como disse Cartier-Bresson, fotógrafo, fotojornalista e desenhista francês “se coloca, na mesma linha, a cabeça, o olho e o coração?

A resposta chegou-nos, na Conversa do quintal da Isenta transformado num País. No mundo. Através do testemunho vivo e vivido de um homem que faz da magia da fotografia a história da sua vida. Da sua terra. Carlos Lousada. Continue reading