Em 2016, já num cenário de crise económica e financeira, onde os principais assuntos abordados pelos meios de comunicação andavam à volta da queda do preço do barril de petróleo e todas as consequências decorrentes desse fenómeno, o investimento feito na construção dos circuitos internacionais de telecomunicações, através de cabos submarinos de fibra óptica, sob responsabilidade da Angola Cables era um assunto praticamente desconhecido.

Os poucos que conheciam, atribuíam pouca importância, aumentando deste modo as dificuldades para obtenção de financiamentos para a continuidade dos projectos. Para reverter este quadro, a Isenta elaborou uma estratégia de comunicação essencialmente voltada para a advocacia pública sobre tecnologias de informação e comunicação, onde demos primazia à interacção com jornalistas e a produção de conteúdo que foi sendo inserido nos principais meios de comunicação, alterando assim o nível de conhecimento sobre a Angola Cables e os cabos submarinos de fibra óptica.

As acções deram primazia à formação de jornalistas sobre telecomunicações, com principal enfoque no papel dos cabos submarinos no ecossistema internacional de telecomunicações e apostou-se na produção de conteúdo e uma maior presença consistente e continuada nos mais relevantes espaços dos meios de comunicação: televisão, rádio, jornais e online.

Outro factor crucial nessa estratégia foi a capacidade de transformar as informações do sector em notícias de modo a despertar o interesse público e deixar os jornalistas mais expostos e interessados aos desenvolvimentos do sector das telecomunicações, tendo os cabos submarinos como principais promotores dessa evolução.

Embora exista ainda um longo caminho a percorrer, em pouco mais de um ano conseguimos fazer da Angola Cables e dos cabos submarinos um assunto de interesse público, um projecto que orgulha a todos os angolanos visto que, quando estiverem todos os sistemas concluídos, o nosso país será um dos centros das telecomunicações no continente africano.

A estratégia implementada permitiu que os meios de comunicação tivessem um grande interesse em reportar matérias relacionadas aos cabos submarinos de fibra óptica e todos os desenvolvimentos relacionados, prova disso é que todas as semanas, pelo menos uma vez, é gerada uma notícia sobre este assunto. E, não menos importante, as matérias são muito mais elaboradas, com sinais claros de um considerável nível de conhecimento sobre o assunto, da parte do jornalista.

Por: Mário Domingos